Quase seis centenas de representantes da Diáspora Portuguesa no Mundo participaram no I Congresso Mundial de Redes de Diáspora Portuguesa sobre a temática ‘Por uma Visão Estratégica partilhada’, realizado, nos passados dias 13 e 14 no auditório da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, na cidade do Porto.

Esta iniciativa, presidida por Marcelo Rebelo de Sousa pretendeu, essencialmente, reunir representantes e protagonistas das diversas Redes dos Portugueses da Diáspora e reconhecer a sua função, quer na comunidade em que se inserem, quer na sociedade dos países de acolhimento.

Valorizar o seu trabalho e percursos, recolher os seus contributos e visões e, de forma partilhada, continuar a desenvolver e a aprofundar uma estratégia comum que apoie a concretização das aspirações dos Portugueses no Mundo foram outros dos objetivos do Congresso cujas conclusões poderão ser consultadas no final deste artigo.

Marcelo Rebelo de Sousa aponta como “grande desafio” do país colocar a diáspora como “prioridade global” dos residentes em território nacional.

“Há aqui uma luta cultural que é um desafio para a diáspora também: explicar aos portugueses que somos muito bons e que uma das razões para isso tem a ver com a nossa presença no mundo”, disse o Presidente da República na abertura do I Congresso Mundial de Redes da Diáspora Portuguesa.

blank
Vídeo da intervenção de Marcelo Rebelo de Sousa (Fonte: Página Oficial da Presidência da República)

Diáspora é uma “poderosa rede global” que o país deve articular

O primeiro-ministro, António Costa, destacou hoje as redes da diáspora portuguesa como uma “poderosa rede global” que o país tem de ser “capaz de articular”, reforçando a “proximidade” com as suas comunidades emigrantes espalhadas pelo mundo.

blank
Clique na imagem para assistir ao vídeo da intervenção do Primeiro Ministro (a partir do minuto 41:40 (fonte: Youtube da Ordem Contabilistas Certificados)

D. Tolentino Mendonça propõe abordagem ao tema da Diáspora

O Arcebispo D. José Tolentino Mendonça, Arquivista da biblioteca Vaticano, propôs uma abordagem ao termo da Diáspora que é, para todos os efeitos, uma “palavra nova”, pois só na transição do milénio, se começou a vê-la aplicada para descrever o fenómeno da emigração portuguesa.

Intervenção de Tolentino de Mendonça (fonte: youtube de Diário de notícias-Madeira)

Conclusões do I Congresso Mundial de Redes da Diáspora Portuguesa

blank
A Diáspora Lusa Magazine marcou presença no Congresso

Os trabalhos do Congresso organizaram-se em torno de seis principais Redes da Diáspora Portuguesa: a Rede do Associativismo; a Rede da Ciência e do Conhecimento; a Rede da Economia e do Desenvolvimento; a Rede da Cidadania e dos Lusoeleitos; a Rede do Apoio Local; e a Rede dos Orgãos de Comunicação Social da Diáspora.

De acordo com a Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, a iniciativa contou com 597 participantes oriundos de 40 países dos cinco continentes.

“Este foi um evento congregador, ponto de encontro de histórias de vida, lugar de partilha de experiências, espaço de informação e avaliação das políticas públicas para as Comunidades Portuguesas, e tempo de debate sobre o que une os Portugueses em Portugal e no Mundo – em redes geradoras de valor, em afeto e raízes, em projeção e presença internacionais, em todas as dimensões da globalização e em reflexão sobre o que, em todos nós, é simultaneamente único e universal” refere o texto das conclusões do Congresso.

Clique na imagem para conhecer todas as conclusões do Congresso

blank

Reportagem RTP

Reportagem RTP